Na 4ª jornada desta fase final, a equipa de voleibol feminino do CFP defrontou a equipa do Bairro S. João A. C, num jogo marcado por um conjunto de incidentes que nos prejudicaram e que tiveram início na falta de um dos árbitros nomeados. Como resultado, o jogo foi dirigido por um único árbitro, com uma muito difícil tarefa dado o nível elevado das equipas e a correspondente velocidade a que se joga nesta fase final.

Apesar de defrontarmos a grande favorita a vencer o campeonato (conta por vitórias todos os jogos disputados na presente época), como favoritismo não ganha jogos, a nossa equipa entrou descomplexada e muito motivada no 1º SET, que liderou, embora por curta margem, até aos 13 pontos (13-13), a que se seguiu uma fase de equilíbrio com alternâncias no marcador. Com o resultado em 17-18, um erro do árbitro (não viu que o remate da nossa jogadora tocou no bloco adversário antes de ir para fora – cá está a falta do 2º árbitro) alterou um resultado que devia ser de 18-18 para 17-19. Um pouco mais tarde, novo erro do árbitro com o resultado em 18-20, assinalando uma falta na rede que não existiu (só ele viu), alterando novamente um resultado (foram 2 pontos que nos foram retirados e 2 pontos a mais para o nosso adversário). Ainda assim, a nossa equipa não baixou os braços e conseguiu chegar aos 24-24, acabando por perder por 24-25. Apenas podemos lamentar a falta de 2 árbitros num encontro desta importância pois, sem estes 2 erros claríssimos o resultado teria sido de 25-22 a nosso favor.

O 2º SET não teve história pois, após um período inicial equilibrado (6-6), a equipa do Bairro de S. João foi-se distanciando no marcador vencendo por claros 25-13.

No 3º SET a equipa do CFP começou forte e conseguiu uma vantagem de 9-2, que conseguiu manter até aos 17-8. Quando tudo fazia prever a vitória no SET, um conjunto inexplicável de erros fez-nos perder 8 pontos consecutivos. Com o resultado ainda favorável (18-16) mas com a nossa confiança abalada, conseguimos resistir até aos 21-21 mas nova série de erros levou-nos a perder por 22-25.

Como conclusão podemos afirmar que o resultado de 0-3 não espelha o equilíbrio que se verificou entre as duas equipas, mas também perceber que precisamos de ganhar maior consistência pois, tal como no jogo com a TAP, tivemos períodos muito bons em que revelámos um alto desempenho, seguidos de outros em que fomos pouco eficazes, com muitos erros não provocados.

Terminada a 1ª volta desta fase final, encontramo-nos no 3º lugar com 2 derrotas e continuamos com justas pretensões de terminar este campeonato num dos lugares do pódio.

O próximo jogo é contra o CVO e realiza-se na próxima 2ª feira, dia 16, pelas 20:30 no Pavilhão INATEL. Não faltes. Vem apoiar a tua equipa.

05.03.2022  

No passado sábado, dia 5 de março, teve início o Campeonato Distrital de Equipas de Ténis de Mesa do INATEL, a disputar em 10 jornadas.

A equipa do Clube Ferroviário de Portugal iniciou com sucesso a sua participação, vencendo o Clube Academia de Mafra Future Spin por 3 a 0, em Tires, nas instalações do Desportivo de Monte Real.

Parabéns, atletas, de volta, aos treinos e às vitórias!

Saudações do CFP pelo seu ótimo desempenho!

17.10.2021 – Apoio a uma performance artística

O CFP foi contactado pela organização do evento cultural “BoCA – Bienal de Artes Contemporâneas 2021”, na perspetiva de solicitar apoio para a concretização de uma performance de uma das artistas do evento, a Sara Bichão, com o seu trabalho “O”.

A performance consistiu em levar a reboque de um barco a remos (yole de 4) uma escultura envolvida numa peça de gelo, que iria naturalmente derretendo durante o percurso, entre a Praia dos Momores e Praia de Porto Brandão.

O apoio solicitado foi de uma embarcação a remos, de uma embarcação a motor para levar uma câmara que filmasse a travessia, de algumas aulas de remo para a artista, que na ida faria parte da tripulação, e os remadores necessários para levar e depois trazer o barco.

O CFP disse “presente” a esta experiência cultural, participando assim no encerramento desta “BoCA –  Bienal de Artes Contemporâneas 2021”

Veja aqui

_ vídeo resumo da Bienal e sua programação geral > https://www.instagram.com/p/CVxZibSq2jF

_ fotografias da ação > https://drive.google.com/drive/folders/1JfTmiLznleyE_aOC1WqR6ZYRBt9oLq6I?usp=sharing (créditos: Bruno Simão / BoCA)

_ Vídeo live streaming da ação > https://www.youtube.com/watch?v=WalANHJd1Rc (créditos: FAW Agency / BoCA) (créditos: FAW Agency / BoCA)

Os testemunhos e o agradecimento da organização:

“Queria sublinhar o nosso agradecimento por esta cooperação e vontade de manter este diálogo para futuras oportunidades.

O apoio do CFP foi absolutamente imprescindível para a viabilidade desta ação artística, parte da nossa bienal.”

“No dia 17.10 encerrámos a BoCA com uma performance que ligou as margens do Tejo, num gesto simbólico que relembra que a BoCA não é um só lugar. O trabalho “0”, de @sarabichao, foi uma ação em 3 tempos: margem — rio — margem, onde um bloco oval de gelo puxado a remo derreteu, gradativa e continuamente, para desvelar uma escultura em suspenso.

Este projeto ambicioso que ligou a remo as duas cidades foi acompanhado dos pontos de partida e chegada (Praia dos Momores e Praia de Porto Brandão), mas também através de uma transmissão ao vivo que partilhamos hoje para quem quiser ver e rever.

Esta foi também a última performance do projeto “Quero ver as minhas montanhas”, um conjunto de 7 criações artísticas no espaço natural que assinalaram o centenário de Joseph Beuys, com curadoria de Delfim Sardo e Sílvia Gomes.

Para realizar esta ação foi fundamental a parceria com o Clube Ferroviário de Portugal, a Federação Portuguesa de Remo e a Transaire, a quem deixamos um agradecimento.”