, ,

«DE BARCO EMPRESTADO, FERROVIÁRIO É CAMPEÃO»

«DE BARCO EMPRESTADO, FERROVIÁRIO É CAMPEÃO»

 História de uma regata, por Sandoval Cruzinha

«De barco emprestado, Ferroviário é Campeão». Foi este o título escolhido pelo (Dr.) João Oliveira, – também ele remador – para escrever, em 28 e 30 de março de 1983, nas páginas do Jornal a Bola, sobre a conquista do Campeonato Nacional de Fundo, no Rio Douro, pelo Clube Ferroviário de Portugal.

Passados 35 anos sobre esta regata, dirão vocês: “Cheira-me a bafio”! De facto, esta história pertence ao “museu” da nossa memória, mas ao ser convidado para escrever umas linhas no nosso boletim de treinadores de Remo, entendi que devia aproveitar a oportunidade para prestar uma singela homenagem ao Clube Naval Infante D. Henrique, e à minha tripulação de Shell 8+, vencedora dessa regata nesse ano.

A história conta-se assim:

Em 1983 o CFP não dispunha de um Shell 8+ em condições de participar com dignidade em provas de grande exigência, como é um Campeonato Nacional de Fundo. Era um barco antigo, largo e pesado, ao qual adicionávamos a dificuldade de remar em barcos Shell, nas águas remexidas do Tejo. Treinávamos na Doca do “Espanhol” em Alcântara – Lisboa – com cerca de 1500m (bem esticados) em Shell4 c/s timoneiro. Quatro desses remadores eram mais altos e pesados, e outros quatro mais baixos e leves. Conjunto ideal para formar um Shell 8+, “enfiando” os pesados a meia-nau, e os leves às pontas (proa e ré). Tínhamos tudo, só faltava o barco! E todos queriam muito participar nesse campeonato.

Então, o “Jójó” (Jorge Mendes) treinador da rapaziada, resolveu recorrer à “pedincha” e contactou o Sr. Albino Oliveira, ao tempo, Presidente do Clube Naval Infante D. Henrique (CNIDH) perguntando, se não teria um barco que nos pudesse emprestar. A resposta foi pronta! Venham para cima que têm cá um barco à vossa espera! E lá fomos!… (O CNIDH não participou nesta prova)

Alugámos uma carrinha de 9 lugares onde couberam 10, e partimos para Gondomar na 6ª feira dia 25 de março.

À chegada lá estava o Sr. Albino Oliveira à nossa espera e deparamo-nos com um Shell 8+ em madeira do “Carpentiere Navale Donoratico” novinho, à nossa disposição. Não perdemos tempo! De imediato, começámos a montar aranhas e a proceder às afinações, metendo o barco na água, e voltando a terra 3 ou 4 vezes, até conseguirmos atinar com a afinação mais adequada ao conjunto dos remadores.

No sábado dia 26, treinámos em tranches de 30’/40’ e voltávamos a terra para mais afinações nos ângulos das forquetas, alavancas e entre eixos, até conseguirmos o máximo equilíbrio e rendimento na água. Os remos de madeira eram nossos. Nessa noite, fomos jantar a um pequeno restaurante (já não me recordo o nome) na Ribeira do Porto, onde estava afixado um poster grande com a fotografia do rio Douro desde a Foz até à Ponte Luís I. Acresce dizer, que eu era o timoneiro desse Shell 8+ e, como tal, responsável pelo rumo e pelo espírito combativo da tripulação.

Comecei ali, na toalha de papel da mesa, a desenhar as curvas do Douro e a definir a estratégia da regata com o “Jójó” (Jorge Mendes), e ficou decidido que o meu rumo seria apontar à Alfândega do Porto (minha voga) e dali tirar uma reta até a Ponte D. Luis I, para depois dar leme para a sota, encostando mais ao lado de Gaia, uma vez que a chegada ficava nessa margem depois da Ponte Dª Maria Pia. No tal restaurante, a dona, vendo que estávamos equipados com as cores do Ferroviário, “espicaçava-nos” dizendo que: “Bossemecês” não têm hipótese nenhuma. Quem “bai” ganhar é o “Flubial”! Vai uma apostinha, disse-lhe eu?!… (muito longe de imaginar que iríamos ser campeões) Tá bem, se ganharem, venham cá beber uma garrafa de espumante! Combinado!

Dia 27 de Março, domingo muito cedo, no posto náutico do CNIDH, dávamos os últimos retoques no barco. Tínhamos que remar de Gondomar, cerca de 10Km, para chegar à largada, que foi dada na Afurada. A meio do caminho tivemos uma avaria. Partiu-se uma correia do pau-de-voga a um remador, creio que ao Carlos Alberto (o CA, como lhe chamamos), que entretanto, desenrascou a situação com um atacador de uma sapatilha. E eis-nos na largada, alinhados com mais 4 tripulações: ARCO, GALITOS, CNL, FLUVIAL e CFP. O CDUP não alinhou (peço desculpa se me falta nomear algum clube):

– Senhores, prontos?… LARGA!…

E começou a luta entre todos para ganhar a dianteira. Não tínhamos percorrido 100m e nova avaria num pau de voga ou slide, já não posso precisar bem. Levantei o braço, mas não fui atendido pelo juiz arbitro.

Parámos, reparámos, e seguimos em último lugar, em voga forte e ritmada, tentando que os nossos adversários não descolassem muito de nós. Paulatinamente lá fomos encurtando distâncias. Transposta a Ponte da Arrábida comecei a dar leme para a minha voga apontando à Alfandega do Porto, enquanto as restantes tripulações se encostavam do lado de Gaia, acompanhando a curva do rio. Nesta zona da Alfândega, conforme a estratégia planeada, apontei à Ponte D. Luis I, em linha reta, dando leme para a minha sota, com o objetivo de passar a Ponte o mais perto possível do lado de Gaia, e com esta manobra conseguir juntarmo-nos às outras tripulações. E assim foi!

Passámos o CNL, e depois o Galitos. À nossa frente, o Arco e o Fluvial, discutiam a cabeça da regata, sem contarem que uns intrusos vindos de Lisboa se preparavam para dar luta até ao fim. Recordo como se fosse hoje, os gritos e aplausos de incentivo ao Fluvial, que vinham das duas margens do Douro e do tabuleiro inferior da Ponte D. Luís. Foi espetacular! Nunca tinha vivido até àquela regata um ambiente tão entusiasta de apoio ao Remo, que, diga-se de passagem, também nos galvanizou e contribuiu para darmos mais luta.

É nesta fase da regata que entra na nossa tripulação o nono remador, – o Simões. Quem era este personagem? Ninguém! Apenas o nome de código que eu arranjei para substituir o termo “PEGA 20” quando fosse necessário fazer séries para descolar dos adversários. E resultou!

Ultrapassámos o CNL, Galitos e Arco com esta “ratice” e ficámos ao lado do Fluvial antes da Ponte D. Luís. O experimentado timoneiro do Fluvial, conhecedor do Douro, começou a “empurrar-me” para o meio do rio, não permitindo ao Ferroviário, encostar ao lado de Gaia. Mas lá fomos lado a lado, ora com a proa do Fluvial à frente, ora com a do Ferroviário, numa luta titânica sem sinais de quebrar o ritmo.

Aproximávamo-nos da Ponte Dª Maria e da linha de chegada. A cadência aumentava na ponta final, podendo qualquer das tripulações ser campeã, e continuávamos naquele “baile” de proa para a frente, proa para trás, até que no limite das forças o “SIMÕES” voltou para ajudar a equipa do Ferroviário, e vencemos por uma proa!

Três ou quatro elementos da tripulação lançaram-se à água completamente eufóricos! Estava tudo doido! Eu só desejava ter à mão uma garrafa de oxigénio. Fiquei afónico. O mais caricato é que com tanto banho, esquecemo-nos de ir receber a taça e as medalhas, ficando o “Jójó” (Jorge Mendes) sozinho à nossa espera com a taça e as medalhas na mão.

A classificação ficou assim ordenada: 1º CFP; 2º Fluvial; 3º Arco; 4º Galitos e 5º CNL, conforme escreveu o Eng. Flores (presidente do júri) no Jornal de Notícias.

No final da regata o Sr. Fernando Barbedo que acompanhou a prova, perguntava se o timoneiro do Ferroviário era do Porto, pelo facto de ter feito aquele rumo.

Conto esta história para enaltecer as virtudes do REMO. Nunca teríamos sido Campeões sem a solidariedade do CNIDH e do seu presidente Albino Oliveira que nos emprestou o barco. Nunca teríamos sido Campeões, se aqueles 8 rapazes do Ferroviário não tivessem fibra, espírito de sacrifício, crença e uma vontade de ganhar extraordinária.

São inúmeros os atributos do nosso desporto: dignidade, honestidade, generosidade, companheirismo, lealdade, espírito de sacrifício e entreajuda, liderança. Estes são alguns dos valores que ficam para a vida.

Tinha 14 anos, em 1962, quando comecei a praticar Remo. Hoje, com 71, ainda por cá ando como treinador a passar a mensagem a outros.

A Nossa tripulação era constituída por: 1 – Fernando Palma (O tira linhas); 2 – Alcino Costa (O Ramsés); 3 – Carlos Afonso (Atual presidente da ANL); 4 – Paulo Ferreira; 5 – Eduardo Jorge Oliveira; 6 – António Gonçalves; 7 – Carlos Alberto (CA); 8 – José Leitão (Atual diretor da formação da FPR); Timoneiro: Sandoval Cruzinha; Treinador: Jorge Mendes (Jójó).

 

P.S.: Não voltámos ao restaurante para beber o espumante.